terça-feira, 19 de novembro de 2019

DOENÇA CELÍACA 

 Enteropatia sensível ao glúten


A doença celíaca é uma doença autoimune, que causa um processo inflamatório na mucosa intestinal. 
Essa  inflamação é provocada pelo glúten, proteína presente no trigo, cevada, malte  e centeio. Esse processo inflamatório, que ocorre na parede interna do intestino delgado, leva à atrofia da mucosa intestinal, ou seja, das vilosidades intestinais, gerando um prejuízo na absorção de macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteínas) e micronutrientes (vitaminas e minerais)



Alimentos que contem Glúten:
  • Pão, torrada, bolacha, biscoito, massas, bolos; 
  • Cerveja, pizza, salgadinhos, cachorro quente, hambúrguer;
  • Gérmen de trigo, sêmola de trigo;
  • Queijos, ketchup, maionese, shoyo;
  • Salsicha, temperos industrializados;
  • Cereais, barrinha de cereais, xaropes e alguns remédios;
  • Hóstia;
  • Entre outros 

fonte

O diagnóstico é feito geralmente na infância, meses após a introdução do glúten na dieta.  O reconhecimento é realizado por meio da avaliação do quadro clínico e posteriores exames laboratoriais. O exame que conclui o resultado é a biópsia da segunda porção do duodeno ou do intestino delgado, que demonstra a perda ou não dos sulcos da região. Como a doença celíaca pode se manifestar de diversas formas, é preciso ter atenção redobrada para seu diagnóstico.

Sinais e sintomas: 
  • Diarreia
  • Desconforto abdominal 
  • Flatulência 
  • Diminuição do apetite 
  • Sensação de barriga estufada  
  • Vômito 
  • Perda de peso 
  • Anemia 

Tratamento:
Não existem medicamentos ou procedimentos específicos para tratar a doença celíaca. O que se pode fazer é eliminar todos os produtos que contem glúten da dieta, diminuindo assim os desconfortos e recuperando as vilosidades intestinais. 


Referencial utilizado: 
Hospital Israelita Albert Einstein. Disponível em: https://www.einstein.br/guia-doencas-sintomas/info/#141
Site Federação Brasileira de Celíacos. Disponível em: http://www.fenacelbra.com.br/fenacelbra/



Postado por estagiária Ivinis Audry Missiato Costa.  

quarta-feira, 13 de novembro de 2019


Brócolis


O Brócolis é uma ótima fonte de nutrientes, o consumo regular ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, doenças cardíacas e purifica o sangue. Mesmo com todos os nutrientes que oferece, é um alimento pobre em calorias, sendo indicado em dietas de perda de peso. Além disso, é uma hortaliça rica em Boro, que atua no metabolismo de substratos energéticos, no funcionamento do cérebro e na atividade psicomotora e cognitiva.

Seguem algumas sugestões de Receitas.


Omelete de brócolis
Ingredientes:
4 ovos;
1 xícara de chá de brócolis cozidos e picados;
cebolinha verde picada a gosto;
1 fio de azeite;
1 cebola pequena ralada;
sal a gosto;
pimenta do reino a gosto.

Modo de preparo:
Bata os ovos em uma tigela com um garfo até ficar espumoso, então adicione os outros ingredientes um a um, os temperos, exceto o azeite e misture delicadamente até que incorporem. Despeje um fio de azeite em uma frigideira de tamanho médio antiaderente, aqueça e despeje os ovos batidos. Deixe cozinhar em fogo baixo até ganhar consistência, então vire e doure do outro lado. Quando estiver levemente tostado, desligue o fogo e sirva.


Suflê de brócolis
Ingredientes:
2 brócolis americano pequenos;
2 colheres de sopa de requeijão light;
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado.

Modo de preparo:
Higienize os brócolis e leve ao vapor para cozinhar. Retire a metade do brócolis quando estiver al dente e deixe o restante cozinhar até ficar bem macio. Bater o brócolis macio no liquidificador com requeijão e o queijo e um pouco de água quente até virar uma pasta cremosa. Em um pirex para suflê adicione o creme de brócolis misturado com os pedaços de brócolis al dente, salpique parmesão e leve ao forno médio por 30 minutos ou até dourar. Sirva a seguir.
Farofa com brócolis
Ingredientes:
1 maço de brócolis;
100g de linguiça calabresa;
1/2 xícara de pimentão verde;
1/2 xícara de pimentão vermelho;
1 xícara de farinha de milho;
1 cebola;
sal a gosto.

Modo de preparo:
Higienize e pique o brócolis, os pimentões e a linguiça em cubos. Leve a linguiça para dourar com a cebola em um pouco de azeite. Depois que estiverem refogados adicione a farinha de milho, acrescente o brócolis e pimentões. Deixe por mais alguns minutos e desligue. Reserve. Sirva acompanhado de carnes.

Referências utilizadas: TAMANHO ÓTIMO DE PARCELA PARA AVALIAÇÃO DA MASSA E DIÂMETRO DE CABEÇAS DE BRÓCOLIS. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84782016000300447


Estagiária Tatiane Pierri Barbosa



ARROZ COM FEIJÃO.

Essa combinação é a queridinha do Brasil, é a base do prato da maioria da população.

 

 Fonte imagem 1                                                        Fonte imagem 2
 


Além de paixão nacional, o arroz com feijão são a base da alimentação da maioria dos brasileiros. Inseridos na identidade cultural e econômica do país, vão variar apenas de região para região no que desrespeita aos tipos, por exemplo, no estado do Rio, o feijão favorito é o preto, enquanto no estado de São Paulo é o feijão carioca, havendo ainda o feijão fradinho, roxo, jalo, branco, vermelho, azuki e por ai vai, lembrando que todos são bem semelhantes nutricionalmente falando. 
O arroz também tem diversas opções para todos os gostos e sabores, como por exemplo, o integral, selvagem, negro, parboilizado, vermelho, entre outros.   




Em um pais tão rico culturalmente podemos afirmar, com toda certeza, que esse prato define sua  identidade gastronômica, sendo a tradição mais comum à mesa dos brasileiros  


A combinação destes dois alimentos é perfeita, pois além de fornecerem fibras e diversos nutrientes, como vitaminas do complexo B, cálcio e ferro, eles se complementam na questão dos aminoácidos, o  que falta em um, você encontra em outro. Eles fornecem, de uma vez só, os aminoácidos que necessitamos 
O arroz é rico em metionina, enquanto o feijão tem pouca quantidade, e, em contrapartida, o feijão é rico em lisina, enquanto o arroz possui pequenas quantidades.
 
O feijão pertence ao grupo das leguminosas e é rico em proteínas vegetais, que ajuda na composição dos músculos e tecidos corporais.
Já o arroz é do grupo dos cereais, sendo fonte de carboidratos, o que dá energia ao organismo para realizar suas funções metabólicas


➢ Na hora de se servir, a recomendação é que se tenha uma proporção de 1 parte de feijão para 2 partes de arroz . 


Referencial utilizado para apoio:
Barbosa Livia. Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Horiz. antropol. vol.13 no.28 Porto Alegre July/Dec. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832007000200005



Postado por estagiária Ivinis Audry Missiato Costa. 

terça-feira, 12 de novembro de 2019

Alimento Funcional. 

Sempre trazemos diversas receitas que se apresentam como funcionais, mas afinal, você sabe o que seria um alimento funcional?




Vamos lá: 
➢Alimentos funcionais são alimentos ou ingredientes que oferecem benefícios à saúde, além de suas funções nutricionais básicas.
Alimentos funcionais se caracterizam por oferecer vários benefícios à saúde, além do valor nutritivo inerente à sua composição química, podendo desempenhar um papel potencialmente benéfico na redução do risco de doenças cronicas degenerativas (NEUMANN, et al., 2000; TAIPINA,et al., 2002)

➢É necessário que o consumo destes alimentos seja regular a fim de que seus benefícios sejam alcançados. A indicação fica no maior uso de vegetais, frutas, cereais integrais na alimentação regular, já que grande parte dos componentes ativos estudados se encontra nesses alimentos. Outra dica é substituir em parte o consumo de carne de vaca, embutidos e outros produtos à base de carne vermelha por soja e derivados (especialmente carne de soja e isolados proteicos de soja) ou peixes ricos em ômega 3;

➢Além disso, é importante que saibam que esses alimentos somente funcionam quando fazem parte de uma dieta equilibrada, balanceada. Lembrando também que, a prática de atividade física associada a uma alimentação adequada faz toda a diferença e é de suma importância para uma vida saudável.

👉Abaixo, segue um quadro com os principais compostos funcionais investigados pela ciência:


Composto
Ação
Alimentos e onde são encontrados
Isoflavonas
Ação estrogênica (reduz sintomas da menopausa) e anti-câncer
Soja e derivados
Proteínas de soja
Redução dos níveis de colesterol
Soja e derivados
Ácidos graxos ômega-3
Redução do LDL - colesterol; ação antiinflamatória; é indispensável para o desenvolvimento do cérebro eda retina de recém nascidos
Peixes marinhos como sardinha, salmão, atum, anchova, arenque, etc
Ácido a - linolênico
Estimula o sistema imunológico e tem ação antiinflamatória
Óleos de linhaça, colza, soja; nozes e amêndoas
Catequinas
Reduzem a incidência de certos tipos de câncer, reduzem o colesterol e estimulam o sistema imunológico
Chá verde, cerejas, amoras, framboesas, mirtilo, uva roxa, vinho tinto
Licopeno
Antioxidante, reduz níveis de colesterol e o risco de certos tipos de câncer, como de próstata
Tomate e derivados, goiaba vermelha, pimentão vermelho, melancia
Luteína e Zeaxantina
Antioxidantes; protegem contra degeneração macular
Folhas verdes (luteína). Pequi e milho (zeaxantina)
Indóis e Isotiocianatos
Indutores de enzimas protetoras contra o câncer, principalmente de mama
Couve flor, repolho, brócolis, couve de bruxelas, rabanete, mostarda
Flavonóides
Atividade anti-câncer, vasodilatadora, antiinflamatória e antioxidante
Soja, frutas cítricas, tomate, pimentão, alcachofra, cereja
Fibras solúveis e insolúveis
Reduz risco de câncer de cólon, melhora o funcionamento intestinal. As solúveis podem ajudar no controle da glicemia e no tratamento da obesidade, pois dão maior saciedade.
Cereais integrais como aveia, centeio, cevada, farelo de trigo, etc; leguminosas como soja, feijão, ervilha, etc.; hortaliças com talos e frutas com casca
Prebióticos - frutooligossacarídeos, inulina
Ativam a microflora intestinal, favorecendo o bom funcionamento do intestino
Extraídos de vegetais como raiz de chicória e batata yacon
Sulfetos alílicos (alilsulfetos)
Reduzem colesterol, pressão sanguínea, melhoram o sistema imunológico e reduzem risco de câncer gástrico
Alho e cebola
Lignanas
Inibição de tumores hormônio-dependentes
Linhaça, noz moscada
Taninos
Antioxidante, anti-séptico, vaso-constritor
Maçã, sorgo, manjericão, manjerona, sálvia, uva, caju, soja
Estanóis e esteróis vegetais
Reduzem risco de doenças cardiovasculares
Extraídos de óleos vegetais como soja e de madeiras
Probióticos - Bífidobacterias e Lactobacilos
Favorecem as funções gastrointestinais, reduzindo o risco de constipação e câncer de cólon
Leites fermentados, Iogurtes e outros produtos lácteos fermentados


➢Inúmeros fatores vem afetando a qualidade da vida moderna da população mundial, de forma que, cada vez mais, profissionais da área da saúde, buscam conscientizar e ressaltar a importância de  se  promover um estilo de vida e também uma alimentação mais saudável e adequada. O incentivo, por exemplo, ao consumo desses alimentos funcionais, que por sua vez, contém substâncias que auxiliam a promoção da saúde, trazendo com isso uma melhora no estado nutricional geral é uma estratégia que vem sido muito empregada. 


"Faça de alimentos in natura ou minimamente processados a base da sua alimentação. Eles, em grande variedade e predominantemente de origem vegetal, são  a base para uma alimentação nutricionalmente balanceada, saborosa, culturalmente apropriada  e promotora de um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável."
Fonte Imagem (click aqui)




Referencial utilizado: 

BVS - Biblioteca Virtual em Saúde. disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/220_alimentos_funcionais.html  

Guia Alimentar para população brasileira. Ministério da saúde. Disponível em : <https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf>

NEUMANN, P., et al. Alimentos saudáveis, alimentos funcionais, fármaco alimentos, nutracêuticos....você já ouviu falar? Higiene Alimentar. v. 14, p. 19-23, 2002. 

TAIPINA, M. S.; FONTS, M. A. S.; COHEN, V. H. Alimentos funcionais – nutracêuticos. Higiene Alimentar. v. 16, n. 100, p 28-29, 2002. 


Postado por estagiária Ivinis Audry Missiato Costa. 



sexta-feira, 8 de novembro de 2019


Kefir



São grãos compostos por microrganismos imobilizados em uma matriz proteica e polissacarídea, onde diversas espécies de bactérias e leveduras coexistem de forma simbiótica. Quando adicionados ao leite que podem ser de vaca, cabra, ovelha ou búfala, à água com açúcar mascavo, sucos de frutas, extrato de soja, entre outros, as bactérias presentes no Kefir iniciam um processo de fermentação, produzindo compostos bioativos e uma bebida probiótica.

O Kefir possui diversos atributos nutricionais, tais como vitaminas do complexo B, minerais e aminoácidos essenciais, imprescindíveis para a manutenção de funções vitais do ser humano. Além de possuir também proteínas que são relativamente digeridas e facilmente utilizadas pelo organismo.

Os grãos de Kefir promovem efeitos benéficos, resultantes de 3 mecanismos diferentes, ação direta dos microrganismos, ação indireta através dos metabolitos produzidos durante a fermentação ou por meio dos produtos gerados na quebra da matriz alimentar, como por exemplo peptídeos. Esses mecanismos influenciam no aumento da população da microbiota intestinal do hospedeiro. Promovendo efeitos positivos nos sintomas de constipação, e melhoram os índices de satisfação intestinal, aceleram o trânsito colônico, além de possuir potencial para ser usado como alimento funcional, Pois é associado a redução de risco de diversas doenças como hipertensão, alergias, infecções, isquemia, distúrbios do trato gastrointestinal, além de apresentar propriedades anti-carcinogênicas, anti-inflamatórias e estimuladores do sistema imune, e prevenção de câncer de cólon, o que destaca ainda mais sua importância e função na saúde e no bem-estar do ser humano.


Referências utilizadas Efeitos do consumo de Kefir sobre risco para Doença Cardiovascular. Disponível em: < http://dspace.mackenzie.br/bitstream/10899/20842/1/Bruna%20Corr%c3%aaa%20Rojas.pdf>; Efeitos da Suplementação de Kefir em  Mulheres com queixas Gastrointestinais. Disponível em: < https://repositorio.ufpb.br/jspui/bitstream/123456789/16045/1/LRCP15102019.pdf>


Estagiária Tatiane Pierri Barbosa


 ALIMENTOS IN NATURA, PROCESSADOS E ULTRAPROCESSADOS.

Entenda a diferença entre eles e aprenda a fazer uma escolha mais saudável.


Com o decorrer do tempo e as mudanças ocorridas no cotidiano da humanidade, houve-se a necessidade de começar a estocar alimentos. Técnicas cada vez mais avançadas foram criadas e ainda hoje são inovadas, a fim de facilitar a rotina corrida da população.
Esses avanços tecnológicos na área de engenharia alimentar, foram abrindo espaço para criação de novos alimentos e até mesmo novos sabores. A grande maioria dos alimentos que consumimos atualmente passam por algum tipo de processamento até chegarem em nossas casas. 

Vamos conhecer essas definições de alimentos, lembrando que elas se dão pelo grau de processamento sofrido pelo alimento. 

 Segundo o GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA- MINISTÉRIO DA SAÚDE:

In- natura: São obtidos diretamente de plantas ou animais e não sofrem qualquer alteração após deixarem a natureza.

Minimamente processados: Esses correspondem a alimentos in natura que foram submetidos a processos de limpeza, remoção de partes não comestíveis ou indesejáveis, fracionamento, moagem, secagem, fermentação, pasteurização, refrigeração, congelamento ou processos similares que não envolvam adição de sal, açúcar, óleos, gorduras ou outras substâncias ao alimento original.

➤ Alimentos in natura tendem a se deteriorar muito rapidamente e esta é a principal razão para que sejam minimamente processados antes de sua aquisição. Processos mínimos aumentam a duração dos alimentos in natura, preservando-os e tornando-os apropriados para armazenamento. E podem também abreviar as etapas da preparação (limpeza e remoção de partes não comestíveis) ou facilitar a sua digestão ou torná-los mais agradáveis ao paladar (moagem, fermentação)


Processados: Alimentos processados são fabricados pela indústria com a adição de sal, de açúcar ou de outra substância de uso culinário a alimentos in natura ou minimamente processado para torná-los duráveis e/ou mais agradáveis ao paladar. As técnicas de processamento desses produtos se assemelham a técnicas culinárias, podendo incluir cozimento, secagem, fermentação, acondicionamento dos alimentos em latas ou vidros e uso de métodos de preservação como salga, salmoura, cura e defumação.

Ultraprocessados: A fabricação de alimentos ultraprocessados, feita em geral por indústrias de grande porte, envolve diversas etapas e técnicas de processamento e muitos ingredientes, incluindo sal, açúcar, óleos e gorduras e substâncias de uso exclusivamente industrial. 

São formulações industriais feitas inteiramente ou majoritariamente de substâncias extraídas de alimentos (óleos, gorduras, açúcar, amido, proteínas), derivadas de constituintes de alimentos (gorduras hidrogenadas, amido modificado) ou sintetizadas em laboratório com base em matérias orgânicas como petróleo e carvão (corantes, aromatizantes, realçadores de sabor e vários tipos de aditivos usados para dotar os produtos de propriedades sensoriais atraentes). Técnicas de manufatura incluem extrusão, moldagem, e pré-processamento por fritura ou cozimento.É um alimento nutricionalmente desbalanceado, considerando sua composição.


Fonte: Guia Alimentar Para a População Brasileira. Infografia: Gazeta do Povo.


Em resumo... 
"Faça de alimentos in natura ou minimamente processados a base de sua alimentação."
"Alimentos in natura ou minimamente processados, em grande variedade e predominantemente de origem vegetal, são a base para uma alimentação nutricionalmente balanceada, saborosa, culturalmente apropriada e promotora de um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável. "





Referencial utilizado: 

Guia Alimentar para população brasileira. Ministério da Saúde. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/novembro/05/Guia-Alimentar-para-a-pop-brasiliera-Miolo-PDF-Internet.pdf




Postado por estagiária Ivinis Audry Missiato Costa.